Tristeza

01.07.09


Deambulando pelo bosque
um passarinho chorou!
Para o ramo em que pousou
a tristeza foi um choque!

Toda a àrvore esmoreceu
acolhendo o passarinho
embalando-o de mansinho
que tão breve adormeceu.

Seu sono que era tormenta
logo por todo o tomou
e o passarinho chorou
lágrimas do firmamento!...

Em todo o bosque entoou
um penar de pensamento
tornando seu o tormento
que o passarinho contou.

Na tristeza, ele se perdeu!
Até o dia escureceu
quando o passarinho tombou
que de tristeza morreu.

Jáz ao pé daquela àrvore
que sentida o acolheu
e a seus pés sepultou.

Em sua campa rasa semeou
a esperança que ele perdeu
para, que não mais alguém acorde
a tristeza que o tomou.

MC

 

tags: ,
publicado por mcarvas às 22:25

Vera Cruz

01.07.09


Ergue a voz o capitão
p'ró gageiro vasculhar
na imensidão do mar
a terra que o viu zarpar.

Só àgua meu capitão
e muito sol a secar
o vento sempre a soprar
uma grande solidão!

Onde as horas já são dias
as noites, de agonia
até de novo o sol raiar
neste chão d'àgua desmaiar

Vê de novo meu gageiro
por esse mar inteiro
um porto para ancorar
e terra firme pisar.

Abre-se o mar em dois
ao erguer-se um gigante
escurecendo num instante
o antes que perde depois

As armas, bravos soldados
brada o capitão em surdina
erguendo sua carabina
de olhos esbugalhados.

Na escuridão que se abateu
que era negra como bréu
soou no ar grande estrondo
que se ouviu no fim do mundo!...

Trovões a ribombar
e os canhões a trar
com um urro de pasmar
vê-se o gigante a tombar.

Tomou o mar de acalmia
e da morte que se temia
de novo rompeu o dia
nessa branda marezia.

Logo berrou o capitão
todo cheio de razão
p'ró gageiro lá no alto
que estremeceu de um salto.

Diz-me tú meu gageiro
que vês tú afinal?
que breve e bem brejeiro
mirando o mar inteiro
diz que de terra nem sinal!

Cem luas, já se passaram
e outras tantas se seguiram
as mínguas já se contavam
que até os cordales sumiam!...

Gravavam no mastro uma cruz
quando do alto, gaiteiro
berra breve o gageiro
que ao longe via luz...

De uma vastidão imensa
que abraçava toda a terra
que a tripulação já pensa

ser uma benção da cruz
e logo que soltaram ferro
chamaram-lhe de Vera Cruz!...

MC

tags: ,
publicado por mcarvas às 22:24

mais sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

  • Gostei muito desta poesiaLindo,e triste o pobrezi...
  • Lindo, lindo o que aqui li, lembrou-me infância, s...
  • Gostei destas quadras, claro que gostei muito daqu...
  • Adorei.Só hoje dei com o seu espaço, mas vou volta...
  • Olá! Apesar de comentar muito espaçadamente estes ...
  • tenho olhos azuis e sou loiro, a minha namorada te...
  • É bom ter de volta estes preciosos poemas. Fico co...
  • E nas feiras compram votos com canetas e autocolan...
  • Tenho de me penitenciar por ter estado uma semana ...
  • Uma mão cheia de bonitos poemas. Este último, entã...

mais comentados

links

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro