Um fado triste e sentido
entoava um perdigueiro!
Não havia monte ou silveiro
onde ficasse retido.

Mas os anos vão passando
e no meio do restrolho
onde perdera um olho
o faro também foi perdendo.

Já não acompanha o dono
nesses dias de moutado
para o lado foi jogado
logo ao primeiro sono!...

Ouve ao longe os cachorrinhos
a quem ensinou a caçar
que o deixaram de respeitar
quando perdeu o foçinho.

Arrasta-se a muito custo
até junto ao portão
esperando que lhe passe a mão
por tempos que andaram juntos!...

Por uma breve festinha
ou uma suave carícia
é para ele uma delícia
que até já sarou da patinha.

MC

 

música: poesia,verdade,pensamento,vida
publicado por mcarvas às 19:25