Que idade bonita tem
aquela velhinha além
seus olhos espelham também
sua vida, e mais ninguém.

A vida, tem sete rosas
mas que rosas tão formosas
nasce, e enquanto bebé
até chucha em seu pé.

Vem o tempo de criança
que em tudo há bonança.
Já se gastaram duas rosas
nesta tão curta prosa.

Enquanto adolescente
tudo demais está pendente.
Mas há que seguir em frente
já chegou a puberdade

Enfrenta-se então a verdade.
transitando para a jovialidade
vernáculo de oralidade.

Ao entrar na sexta rosa
vida de adulto é uma prosa;
Ao fudo a sétima vem
e aí os netos também.

Quando a sétima caíu
e pétalas mais belas não viu
ficou velhinho também.

MC

 

publicado por mcarvas às 19:29