Vagueio por entre a folhagem
trazida por ventos de outono
onde tudo é abandono
nas margens desta passagem.

O grilo que já não canta
já marcou o seu terreno
bem no cimo daquele ermo
que no inverno o sustenta.

O caminho lá vou seguindo
por entre fragas e penêdos.
Alguns acordam mêdos
nestes tempos de degrêdo.

Bem no cimo daquela escarpa
um barulho de espantar
vê-se uma fraga tão impar
com uma face lisa e limpa.

Abeiro-me do penhasco
e um ruído de entroar...
É um mar d'àgua a brotar
A vida no seu começo!...

MC

 

publicado por mcarvas às 15:15