Uma chuva tão fria caía
tornando o ar tão soturno
das névoas saíu um huno
entre o louco e a euforia.

Prazer maior não tinha
que esta benção dos céus
orava a Deuses ateus
desfiando a ladaínha.

Sua essência, um mistério;
Dono de um porte altivo
que neste mundo está cativo
entre o demo e o etéreo.

Com suas crinas douradas
esvoaçando sobre o dorso
fúria de um guerreiro corso
com todo o pêlo eriçado.

Para as névoas ele voltou
p'ra seu refúgio sagrado
não é p'ra todos um agrado
o mito que dele se gerou!...

Meio homem e animal
só pode ser coisa do demo
parido sem qualquer termo
num dia intemporal.

MC

 

publicado por mcarvas às 17:45