Era um caminho tão estreito
tão estreito que mal cabia
cobertos de silvas e ervas dúbias
adornando todo regato.

Seguia nele uma cachopa
com um cesto à cabeça
O farnel p'ra por na mêsa
e umas garrafas da cêpa.

Calcorreava aqueles caminhos
várias vezes ao ano
sem nunca lhe causar dano
fosse na monda ou aos ninhos.

Um cãosito muito atrevido
atravessa-lhe o caminho
ralhaou-lhe tão baixinho
com um ar empedernido.

Tropeçou nele e caíu
logo o cãosito ganiu
um palavrão lhe saíu
e o cãosito fugiu!...

Sua maior preocupação
foi o cesto da merenda
que ergueu qual oferenda
à senhora da Conçeição.

Na saia rasgou a renda
e uma mão maltratada
de um impulso foi tomada...

Correu o cãosito à pedrada.
Estava de tal modo irada
que se esqueceu da merenda.

MC

 

publicado por mcarvas às 22:56