Este mar que há em mim
tanto que ele me seduz
intensa força me conduz
que em mim não tem fim.

Poder tomá-lo por inteiro
soltar o tempo e perdê-lo
não mais, voltar a vê-lo
nem a seu sopro matreiro.

Tomá-lo ao sabor do vento
e em suas cristas crispadas
erguer altas paliçadas
e vêr suas bestas domadas!...

E em completa comunhão
soltar amarras, partir
longe!...Não mais sentir
perda, nem mera compaixão.

E que desta fria união
nasça um novo em mim!
Não mais poder vêr o fim
não mais sentir outra mão.

E em seu seio me perder
perder todo este querer
sem porto nem abrigo ter
não mais me voltar a vêr.

Não mais!...

MC

 

publicado por mcarvas às 17:54