Que todas a feras da terra
que em sangue se lambusam
sintam a quem elutam
as vertigens dessa guerra.

Lavam-se matas com sangue
onde medra a avareza
tecem ramos de incerteza
por uma caçada infame.

Os prémios então jogados
por tantas carcaças despidas
do nobre sêlo da vida
brilham aos olhos dos biltros.

O homem em sua senda
gera temor entre os demais
unem-se a seus començais
ao perpetuar essa senda.

E na senda da contenda
um vale de lágrimas é cavado
onde tanto destino é largado
que somam a ignóbil caçada.

Nos antrios dessa guerra
onde se gera a vingança
urge aos êcos da matança
ver também, tombar a fera!...

MC

 

publicado por mcarvas às 18:15