Um rosto, uma lágrima, um sorriso.
Uma nesga de sorriso perdido
num qualquer bolso esquecido
espera, poder ainda acordar.
Pinto quadros, pinto letras
espalhando sorriso e lágrimas
mas ainda faltam traços...
são vossos os meus senhora
quando me abrem os braços.
O cheiro de papel e tinta
onde lavo a solidão
um porto onde pouso a mão...
Revelam-se um dilema, uma tela
onde em meu pensamento
me envolvo, consigo vê-la
e me perco nesse elemento.
Sim, todos vós que me rodeiam
se enlaçam, me sorriem
e minha alma me tecem!...
Sim, faz parte de vós
quando a tristeza nos deixa sós.

 

publicado por mcarvas às 18:10