Tive-a pura nos lábios
ignorante dos sábios
fartos de tanto saber.
E as mãos do desalento
sentia ao longo do tempo
dentro de mim a crescer.

Proveia com alegria
envolto em sua magia
na doce, mais doque doce
vinda do mor adivinho
que punha o sapatinho
como se brinquedo fosse.

Sofria pela ausência
e por falta de evidência
peguei nela esquecido
que a palavrinha afinal
porque tudo, tudo vale
nunca perdeu o sentido!...

MC

 

publicado por mcarvas às 14:38