Pela crista da colina
sussuros faziam-se ouvir
Eram nuvens a balir
roçando seu manto, tão fino!

De inveja ruge o trovão
soltando raios sem fim
que queimavam o capim
n'uma mágua de ilusão.

Mas a colina sempre altiva
sem por nada esmorecer
rasgados riso de tremer
largava com voz furtiva!...

Contraêm-se as nuvens em espasmos
desprendendo vendavais
tremem no ninho os pardais
ao verem tolhidos seus ramos!

Línguas de fogo serpenteiam
envolvendo toda a rama
que até a frágil cabana
treme sob o pasto que enleia.

Um cheiro a terra queimada
vagueia por todo o vale
é um odor sem igual
que solta pragas à desgarada.

Leves gotas tocam a terra
despida de seus encantos
ficou envolta n'um manto
nos requícios dessa guerra.

Volta o sol sol a brilhar
com um ar tão comedido
que ao vêr tudo ardido
de novo, volta a brilhar.

MC

 

publicado por mcarvas às 22:39