Canta-lo é enternece-lo

Envolve-lo pois, de mansinho

vesti-lo sim, de azevinho

É não mais querer esquece-lo!

 

O manto que cobre a aurora

cavalga ventos do norte

Uiva nos vales tão forte

Fedendo por dentro e por fora...

 

Trémula a luz serpenteia

Por entre folhados escondidos

quiçá, veledas perdidas

Neste cosmo que enxameia.

 

Despi-lo pois dessas franjas

Que de tão,... em si se alongam

tão vastas são que prolongam

A rudeza destas forjas!

 

Malham o passado, presente

Num grito forte, tão escuro

Senti-lo, é já tão duro

Que o tempo se apaga ausente.

 

MC

publicado por mcarvas às 10:38