O tempo parou na cidade
As luzes outrora brilhantes
já não luzem como dantes.
A praça ficou sombria
despida de alegria
perdeu toda a vaidade.
Os bancos estão mais sujos
as ruas denegridas
As fachadas coloridas,
algumas de côres garridas
racharam, também estão feridas.
Já nem se vê o sabujo
que outrora ali pernoitava
sonhando que um novo dia
lhe troxesse parca alegria.
Que triste é esta vida
que negrura desmedida
.Até a floreira do canto
sempre cheia de graça
que de luz enchia a praça
murchou, perdeu seu manto!
O tempo já não tem tempo
a vida parou no tempo
A noite chegou à cidade
Tão dura que é a verdade
No tempo perdi o momento
esse momento no meu tempo.
Tudo parou..., já não luto
Todo meu ser está de luto!...

 

publicado por mcarvas às 17:52