Em bucólica paisagem
repousei o meu olhar
que de tanto vaguear
está cansado, da miragem.

Porque o fiz, não sei
N'um embrulhar de recordações
preçes e orarações
naquele recanto o pousei.

O tom das côres, acalmou
este meu desassossego
a paisagem deu-me fôlego
para pensar no que sou.

Neste breve momento
de alguma lucidêz
penso no que a vida me fez
alívio meu tormento.

Vida, coisa ingrata
tempo tão fortuíto
pois possui no seu intuito
o que dá, depressa mata!...

Deixa-me sem vida
porque não me leva também?
para lá, para o além...
onde repousa minha amada.

Ignóbil este destino
em que pouso meu olhar
que nada tem para dar
em um completo desatino.

MC

 

publicado por mcarvas às 17:45