Em criança fui feliz!
Nessa minha lua longíncua
em que nada tinha à míngua
na minha vida de petiz.

Fui crescendo em alvoroço
longe, dessa minha lua
A vida, tornou-se nua
de petiz, é só um esboço.

A vida lá continua
com os anos, torna-se crua
qual rocha fria e dura...
Em tudo vivída à míngua.

Oh que saudade dessa vida
dessa vida de criança.
Na mente polulam lembranças
tão longe, da minha lua!...

 

MC

 

publicado por mcarvas às 19:20