Era uma casa amarela
escondida entre o arvorêdo
toda cheia de enrêdo
porticos, com janelas em vela!

Tinha um jardim bem tratado
pedrinhas rondavam os canteiros
dois bancos sob o pinheiro
e um baloiço pendurado.

Voava nele uma moçoila
com o cabelo esguedelhado
coberto de um tom dourado
cavalgando em sua cêla.

Soltava prozas ao vento
que soprava leve aragem
nem bulia a folhagem
não fosse perder o momento!

Que edílico quadro
perdido entre dois montes
gotejam folhas, jorram fontes
para lavar este meu fado.

MC

 

publicado por mcarvas às 17:50