CANTARES

29.01.13

Cantando, transpira a alma

Num solfejo de palavras

Esconjura temores, amarguras

Um breve tempero que acalma.

 

Nas quadras de alinhavo

Soltam-se cravos e espinhos

Que tão!... Marcam o caminho

Nesse palrar tão esquivo.

 

Sou todo aquele, e o outro

Que retoma a cada tempo

Sem sossego, nem momento

Se atola em seu tormento.

 

Grilhetas em seu bailado

Moldam tudo por perdido

É nesse fado desmedido

Que tudo perde o sentido

 

MC

 

 

 

publicado por mcarvas às 18:09

Lua suave

17.11.08


O tempo não mais apaga
o sentir de uma criança
nem a primavera cansa
um simples mimo que afaga!

Descalça lá ia e vinha
eras tú amora doce
por mais longe que fosse
sabia que sempre te tinha.

És minha lua suave
que me vem adormecer
pousando em mim seu olhar
faz a noite florescer!

Ai amores...quem os não teve...

MC

 

publicado por mcarvas às 17:49

Lúgrebe lugar

10.11.08


Num vôo tão magestoso
que quase abraçava o céu
e um silêncio se abateu...
Que silêncio tão ruídoso!

Bateu à porta a invernia
este ano chegou mais cêdo
soltando o crêdo e o mêdo
que nem viv'alma se via.

Do terreiro até ao adro
tinha a rua iluminada
luziam as pedras da calçada
num tão grosseiro empedrado.

Subi-lo era um suplício
quando o inverno chegava
a geada já brilhava
dando largas ao martírio.

Neste lúgrebe lugar
onde o silêncio era rei
meu silêncio a ela juntei
por lá me deixei ficar.

MC

 

publicado por mcarvas às 21:06

Negro tão defenido

08.11.08


Dois olhos esbugalhados
surgiram tão de repente
cravaram-se em minha mente
tão belos e enclausurados.

Expunham tantos receios
de um nêgro tão defenido
fizeram-me sentir despido
ao vêr que eram tão meigos.

Tão doces teus olhos negros
que me tomaram de repente
consomem-me lentamente
que saudade poder vê-los.

MC

 

publicado por mcarvas às 14:49

Ir mais além

13.10.08


P'ra alto mar navaguei
para lavar o meu fado
e quando me vi perdido
por lá, eu me fiquei!...

Tantos caminhos percorri
e novas rotas tentei
onde deram, não sei
só sei que por lá fiquei.

E na espuma me envolvi
tentando ir mais além
mas o mar com desdém

não quis que a onda levasse
e mandou que ali ficasse
e terra não mais eu vi!...

MC

 

publicado por mcarvas às 17:19

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2015

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

comentários recentes

  • Gostei muito desta poesiaLindo,e triste o pobrezi...
  • Lindo, lindo o que aqui li, lembrou-me infância, s...
  • Gostei destas quadras, claro que gostei muito daqu...
  • Adorei.Só hoje dei com o seu espaço, mas vou volta...
  • Olá! Apesar de comentar muito espaçadamente estes ...
  • tenho olhos azuis e sou loiro, a minha namorada te...
  • É bom ter de volta estes preciosos poemas. Fico co...
  • E nas feiras compram votos com canetas e autocolan...
  • Tenho de me penitenciar por ter estado uma semana ...
  • Uma mão cheia de bonitos poemas. Este último, entã...

mais comentados

links

blogs SAPO


Universidade de Aveiro