Os velhos do terreiro

12.10.08


 Os velhos no terreiro
contam histórias do antigo
buscando nelas o abrigo
com doçes palavras de amigo.

Recordam vidas passadas
labutas, entre canseiras
sem nunca perderem a esteira
da fulgor de suas vidas.

E com brilho no olhar
lá contam suas venturas
conquistas, e desventuras
com uma força de pasmar.

Ao canto o Zé da adega
onde pisavam as uvas
não faltava a uma rusga
já só vê por uma nesga!...

Quase que serra o punho
e o cajado já vergava
ao falar do Zé da cunha
e das ovelhas no restolho!...

Zangas essas mal curadas
que nunca foram esquecidas
que por actos ou palavras
nem no tempo da vergada.

Mas é neste convívio
que se regem nobres gentes
com bons ou maus sentimentos

 
vivem o hoje como d'antes.
recordando esses momentos
que é p'ra todos um alívio.

MC

 

publicado por mcarvas às 21:16

Tomou o céu e o mar

12.10.08


Um manto cobriu o céu
com um carregado cinzento
pronúncio de mau tempo
escondido em seu véu.

Trazendo com ele chuva e vento
mas com ele ali à frente
já germina a semente
que na vida é o fermento.

E neste jogo de contrastes
entre curta e grân beleza
e com a mais pura grandeza
que tudo tem a certeza
e todos também com certeza
que a vida tem duas façes.

A da dôr e a da perda
da bonança e da fartura
no meio, a desventura
de alguma alma perdida.

MC

 

publicado por mcarvas às 21:14

Razão de meu viver

12.10.08


No piar da andorinha
renasce a primavera!
Sonhos de côr tão bela
que nem mesmo a azevinho
com seu perfume intenso
consegue conter o que penso.

O sol, com seu bafo quente
acorda nobre sentimento
sempre que em ti penso
e me perco de tão dormente.

És a luz de minha aurora
a razão de meu viver
confio em ti meu querer
poder não mais te perder!...

MC

 

publicado por mcarvas às 21:12

Brilho em teu olhar

12.10.08


Vi quando passavas
um brilho em teu olhar
e um sonho de encantar
deu-me forças, deu-me azas
para não mais te largar.
Pegar em ti, poder voar
e comigo te levar
para lá do firmamento
onde nem o pensamento
nos possa mais encontrar.
Por fim, poder-te amar!...

MC

 

publicado por mcarvas às 21:08

Não há brilho no céu

12.10.08


A noite caíu de novo
Não há brilho no céu
escondeu sob seu véu
este triste caminho
toda sua aura, meu povo
nela perdeu seu destino.
Ao longe um brilho fosco
com receio de luzir
por não saber onde ir
planta um vazio tão ôco
com a tristeza desmaiada
deste lugar perdido.
Bem no centro foi erguia
uma pedra pois gravada
salpicada de palavras
e com doçura poemas
louvores, p'ra minha amada.
Não posso mais acordar
pois deixo de te vêr
começo logo a temer
não mais te voltar a vêr!...

MC

 

música: Saudade,amor,poesia,dor,sentimento
publicado por mcarvas às 21:06

A verdade da mentira

12.10.08


A verdade da mentira
é uma faca de dois gumes
corte e rasga como punhos
e deixa marca que perdura.
Saber quando alguém mente
está-lhe espelhado de frente
os gestos desse momento
reflectem sem contratempo
a verdade da mentira.
É só preciso querer
a verdade se saber
e nos olhos vai-se lêr
o que alguém não quer dizer.
Por querer, ou sem saber
algo está a esconder.
Isto só faz perder
confiança em acreditar
e assim não mais poder
voltar a confiar.
Nada mais se espera
da verdade da mentira.

MC

 

música: verdade,confiança,acreditar
publicado por mcarvas às 21:04

mais sobre mim

pesquisar

 

Outubro 2008

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
17
18
19
20
21
24
25
26
27
29
31

comentários recentes

  • Gostei muito desta poesiaLindo,e triste o pobrezi...
  • Lindo, lindo o que aqui li, lembrou-me infância, s...
  • Gostei destas quadras, claro que gostei muito daqu...
  • Adorei.Só hoje dei com o seu espaço, mas vou volta...
  • Olá! Apesar de comentar muito espaçadamente estes ...
  • tenho olhos azuis e sou loiro, a minha namorada te...
  • É bom ter de volta estes preciosos poemas. Fico co...
  • E nas feiras compram votos com canetas e autocolan...
  • Tenho de me penitenciar por ter estado uma semana ...
  • Uma mão cheia de bonitos poemas. Este último, entã...

mais comentados

links

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro