Silêncio

11.01.09


Parei para colher uma flôr
para alegrar o meu dia
ao vêr que outra flôr me seguia
virei-me então para a erguer.

Era ainda tão menina
com uns olhitos de encantar
ao me vergar para a amparar
para mim se pos a cantar!

Com uma voz tão doce
e um poema de embalar
que me deixou a pensar
como de um anjo se tratasse.

Um sorrisinho tão límpido
cristalino como o orvalho
em seu canto me embalo
queme deixei ser seguido.

Sua imagem gravo até hoje
para dar cor a meu dia
sem ela perdi o dia
que até hoje me foge.

MC

 

publicado por mcarvas às 16:07

Retrocesso

11.01.09


Uma copiosa chuva caía
inundando o lugarejo!
D'ali até ao brejo
nem viv'alma que se via.

Numa quietude total
via a chuva que caía
pela encosta lá seguia
encharcando o choupanal.

As horas foram passando
e pela vidraça me quedei
a mão, pelo rosto passei
e vi que estava chorando.

Em silêncio e contido
lágrimas ia vertendo...
A tristeza me tomou.

Mais escuro o dia ficou
o fardo, ficou mais pesado!
A vida é vil castigo!...

MC

 

publicado por mcarvas às 16:06

mais sobre mim

pesquisar

 

Janeiro 2009

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
24
25
26
28
29
31

comentários recentes

  • Gostei muito desta poesiaLindo,e triste o pobrezi...
  • Lindo, lindo o que aqui li, lembrou-me infância, s...
  • Gostei destas quadras, claro que gostei muito daqu...
  • Adorei.Só hoje dei com o seu espaço, mas vou volta...
  • Olá! Apesar de comentar muito espaçadamente estes ...
  • tenho olhos azuis e sou loiro, a minha namorada te...
  • É bom ter de volta estes preciosos poemas. Fico co...
  • E nas feiras compram votos com canetas e autocolan...
  • Tenho de me penitenciar por ter estado uma semana ...
  • Uma mão cheia de bonitos poemas. Este último, entã...

mais comentados

links

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro